28 de jan de 2011

sermão

Pregação
O amor de Deus, e dos homens por Deus
O que e amor: definição
Segundo o dicionário:
         “sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem ou de alguma coisa”
         Melhor definição: segundo Luiz Camões em rimas pag. 135
         “amor e um fogo que arde sem ser ver.”

Alguns tipos de amor
Amor ao próximo
Amor a uma causa
Amor filial
“e o amor de Deus que se chama ‘ágape”

Na bíblia existem 152 referencias sobre a palavra “amor”
João 3:16: o amor de Deus pelo mundo
João 15:09: o amor do pai
João 15:13: amor de Jesus

Amor de Deus no homem
Romanos 5:5: Deus derrama o amor no coração.
Romanos 8:35 e 39: quem separara do amor de Deus

O amor ao próximo e a Deus
Gálatas 5:13: quem ama e servo
Efésios 4:2: suporta uns aos outros
1º João 4:8: aquele que não ama não conhece a Deus
Apocalipse 2:19: as ultimas obras são as melhores

1º Pedro 5:14: ósculos de amor.

        Jonny Dias
obreiro evangelista aes
aspirante a líder master 

26 de jan de 2011

veja como ter sucesso com Dr. Milton Afonso

Perigos da complacência

Perigos da complacência

Para vencer os desafios da competitividade globalizada, uma empresa só pode ter em seus quadros pessoas excelentes, com obsessão pela qualidade, obsessão pela excelência. Não dá para vencer com pessoas “mais ou menos”.
E nos, brasileiros, temos um grande defeito. Somos excessivamente complacentes com pessoas que não são excelentes. Somos excessivamente complacentes com quem não agrega valores a nossa empresa. Somos “bonzinhos” e complacentes com pessoas que não querem vencer, que não querem crescer, que não querem se desenvolver pessoal e profissionalmente.
E assim, nossas empresas estão cheias de pessoas pouco excelentes. E nada ou pouco fazemos pra nos livrarmos delas. Ouço com freqüência, empresas, diretores, gerentes, supervisores que me dizem: “-minha telefonista e um horror!”. E eu respondo: “-mais ela continua lá”. E sempre vem uma resposta do tipo: “-ela começou comigo faz muitos anos…” ou ainda “-ela tem cinco filhos, mora longe…” ou ainda pior “-foi um vereador amigo meu que a indicou…”. E assim vamos mantendo pessoas de baixa qualidade em nossa empresa! É o vendedor ruim – que não vende e ainda fala mal de nossa empresa. É o balconista mal educado que trata mal nossos clientes. É o motorista desleixado que não cuida do veiculo e ainda reclama o tempo todo, etc. etc..
É claro que temos que tentar elevar as pessoas, treiná-las, fazê-las ver a sua responsabilidade com a empresa. Mais não podemos passar a vida inteira carregando pessoas incompetentes em nossa empresa. Quem mantém pessoas de baixa qualidade na empresa esta fazendo cortesia com o emprego dos outros. Não será somente aquela pessoa quem perdera o emprego. Todos perderão porque com pessoas pouco excelentes, com certeza, a empresa não sobrevivera nestes tempos de competição brutal no mercado.
A complacência com quem não é excelente é um mal que tem trazido conseqüências danosas para as empresas. E muitas vezes, somos complacentes com a baixa qualidade das pessoas por pura preguiça. Preguiça de recrutar e selecionar uma nova pessoa. Preguiça de treinar; preguiça de corrigir comportamento e atitudes. E a verdade é que quase sempre essa preguiça vem disfarçada de comentários do tipo: “-não adianta trocar de pessoa – hoje ninguém presta mesmo!” ou ainda “-só vamos trocar de defeito. Este tem um defeito, a outra tem outros e tudo acaba na mesma…”.
E assim, vamos ficando com pessoas incompetentes e de baixa qualidade em nossa empresa.
É preciso acabar com o conformismo da complacência aos que não são excelentes. É preciso treinar, treinar e treinar. É preciso exigir comportamento de alta qualidade. É preciso exigir de nossos colaboradores a atenção aos detalhes e o follow-up que farão a diferença para nossos clientes.
E quando percebermos que alguém em nosso grupo não esta disposto ou disponível para empreender a mudança para a qualidade e para a excelência, devemos simplesmente dispensar esse colaborador ou colaboradora. Sei que recrutar e selecionar pessoas excelentes é uma tarefa penosa, demorada, exige comprometimento, busca, contatos, tempo. Sei que pessoas excelentes são mais exigentes e exigirão de nós melhor tratamento, melhores condições de trabalho, etc. mais, acredite, não nos resta alternativa. Ou temos conosco pessoas excelentes ou morreremos como empresa, mais cedo ou mais tarde.
A complacência é, portanto, fatal. Quando perceber a desídia, a falta de comprometimento, o descaso, o descuido dos detalhes, a falta de compromisso em terminar as tarefas iniciadas, o dirigentes deve imediatamente chamar a atenção e exigir de seus subordinados a excelência. O dirigente empresarial, hoje, não pode aceitar e ficar inerte frente a situações que comprometem o futuro da empresa, da marca, do negocio. A complacência com a baixa qualidade e qualificação de nossos colaboradores significara aceitar a derrota por antecipação. E para derrotados nenhuma explicação salva, nenhuma desculpa compensa, nenhuma complacência justifica.

(Luiz Martins)

         Jonny Dias
obreiro evangelista aes

24 de jan de 2011

De jovens a Calebes

De jovens a Calebes

para capelão

Capelania

Capelania é o ministério de Cristo entre os juvenis. O capelão é o sumo-sacerdote dos desbravadores.
Um clube sem capelania atuante é um clube sem causa.

Princípios Fundamentais de Preparo do Capelão

-      Conhecimento de Cristo.
-      Conhecimento da Bíblia.
-      Conhecimento do Juvenil.

Segredo do Sucesso da Capelania

1.    Chegar ao clube antes da meditação;
2.    Ser pontual;
3.    Esclarecer as próprias dúvidas antes de falar ao grupo;
4.    Auto-avaliar-se;
5.    Usar linguagem acessível aos juvenis;
6.    Pensar bem antes de prometer algo;
7.    Conhecer a fundo os programas e objetivos do clube;
8.    Dialogar particularmente com cada desbravador e sempre que possível orar com ele;
9.    Demonstrar cortesia para com todos;
10. Ter domínio próprio firmeza e bondade;
11. Cuidar com tonalidade da voz: agradável e positiva;
12. Ter posição definida e coerente (sim, sim; não, não);
13. Respeitar as diferenças e limitações dos desbravadores e não esperar deles o impossível;
14. Planejar tudo o que vai fazer;
15. Usar a motivação adequada;
16. Orar com o clube;
17. Ter alvos definidos e alcançá-los;
18. Dar sempre atenção aos desbravadores;
19. Pedir a direção divina para seu trabalho;
20. Sorri com os que se alegram e chorar com os que choram.

Deveres do Capelão

a)  Aconselhar e trabalhar com diretor nas atividades espirituais de todo clube;
b)  Organizar devocionais e períodos de oração;
c)  Organizar e liderar as atividades missionárias do clube;
d)  Preparar as atividades de Escola Sabatina, Cultos (Divino e J.A) e os programas espirituais para os acampamentos e outras atividades externas;
e)  Atuar em conjunto com o diretor e o pastor na elaboração e realização do programa do Dia Mundial do Desbravador e programas de investiduras;
f)   Atuar como conselheiro espiritual das unidades, inclusive dos oficiais;
g)  Conhecer pessoalmente cada desbravador e membro da diretoria, e animá-los em seu relacionamento com o Senhor;
h)  Demonstrar equilibrada experiência cristã participando das atividades seculares do clube;
i)    Ser exemplo de participação do clube.

PAUTA

1.     Apresentando a capelania;
2.     Elaborando programa (cronograma de visitas, classe bíblica, voz juvenil, etc.);
3.     Ano bíblico e clube do livro;
4.     Os desbravadores e os pequenos grupos;
5.     Criatividade.
6.     Relatório e Histórico da Capelania.
7.     .

21 de jan de 2011

meditação ser desbravador

SER DESBRAVADOR!

Pare um pouco e pense nas melhores coisas que podem acontecer na vida de um juvenil, adolescente ou jovem. Pensou? Agora multiplique por dez, cem ou mil. Isto é “SER DESBRAVADOR!”. Na verdade, o sangue que corre nas veias dos desbravadores, parece ter propriedades diferentes dos demais.
É provável que ao ler estas considerações, você viaje rapidamente no tempo (ou acesse os links da sua memória), e relembre aquelas atividades que marcaram a sua vida e sua experiência em um clube de desbravadores. Aquele acampamento inesquecível; aquela investidura pomposa; aquele sermão poderoso; aquele amigo que foi transformado e aceitou a Jesus através do clube; aquela viagem atrapalhada; aquela especialidade sofrida; aquele líder influente, inspirador, motivador.
Essa dinâmica de situações desperta cada vez mais o aspecto desbravadorístico que há em cada um de nós e, nos faz fortalecer nosso poder de decisão na hora de construir nossa escala de valores e avaliar nossos princípios.
“SER DESBRAVADOR” é descobrir e aproveitar o melhor que a vida tem a nos oferecer, longe dos vícios, das más amizades e influências, e, perto de Deus. É sonhar com o futuro, vivendo no presente a benção de cada dia, tendo a Bíblia como principal manual de instrução, e a esperança de um novo céu e uma nova terra, como objetivo maior!
“SER DESBRAVADOR” é sentir a presença de Deus no imponente silêncio de uma noite enluarada; é gostar do cantar da cigarra marcando o fim de mais um dia e o começo de mais uma aventura; é deliciar-se com a leve chuva que faz refrescar o interior da barraca e aquecer o coração despertando o senso de companheirismo e amor ao próximo; é sentir o toque suave do vento da montanha na face e o toque poderoso do Espírito Santo na hora da dúvida nos fazendo compreender a vontade de Deus.
“SER DESBRAVADOR” é se emocionar com a paz do lago, os sons da floresta, o tremular da bandeira, a batida do bumbo, e muito mais ainda com a decisão de um amigo ao lado de Cristo pelo testemunho de um Juvenil!
É por isso que você é desbravador. Porque tem a sensibilidade aguçada para as coisas santas e adormecida para as coisas mundanas. Você sabe que ser juvenil ou adolescente, é muito mais do que se entregar ao vício do vídeo-game ou da Internet, desperdiçando tempo que poderia ser gasto em benefício do seu compromisso com Deus, com a igreja e com a missão. Isto é, Salvação & Serviço!


Maranata a Toda Prova!


Pr. Ivay Araújo
Diretor de Desbravadores
da União Este Brasileira

tema do ano cd jovem 2011

o titulo do tema do ano para os jovem adventista para toda américa do sul e "amigos da esperança", esta e a musica tema do cd com o mesmo titulo.

Deus fez o mal

se Deus existe por que existe o mal, são umas das perguntas, mais freqüentes que as pessoas fazem pra não acreditar em Deus, ou pelo menos tem tão não acreditar.

20 de jan de 2011

Missão Calebe 2011 - AES Associação Espírito-Santense - Álbuns da web do Picasa

Missão Calebe 2011 - AES Associação Espírito-Santense - Álbuns da web do Picasa

fotos da missão calebe no estado do espírito santo, seja um calebe você também, leve esperança as pessoas.

liderança

Sete pistas para entender
a misteriosa mente dos juvenis

1º PISTA – tenha uma visão geral
Qualquer um que já tenha tentado conduzir um programa com juvenis conhece as armadilhas em potencial: o balbuciar incessante de vozes adolescentes, os momentos relâmpago de interesse, as risadinhas que aparecem nos momentos mais inoportunos. É possível entender os adolescentes e dirigir um programa que valha a pena para eles?
            Seus juvenis formam uma classe marcada por toda sorte de mudanças emocionais e de desenvolvimento. Eles estão lidando com mudanças do corpo, de relacionamentos, um novo e inexplicável interesse pelo sexo oposto, e um sufocante sentimento de inutilidade. Eles estão reavaliando os padrões e valores de seus pais, e tentando ver se e onde Deus se encaixa em suas vidas, tudo sem revelar que alguma coisa está errada.
            Antes que você possa começar a ensinar-lhes verdades espirituais mais profundas, você terá que encontrar as suas necessidades mais imediatas. Primeiro, incuta neles sentimentos de auto-estima. Eles precisam se sentir confortáveis, aceitos e amados por você antes mesmo que comecem a se abrir.
·         Pela afirmação de seus pontos positivos e evitando constrangimento como forma de punição, você pode ajuda-los a se sentir importantes para o grupo.
·         Pela referência a Deus como alguém em quem se pode confiar como um amigo, você pode ajuda-los a se sentir aceitos, mesmo com os pés grandões ou as roupas esquisitas. 
Construir uma atmosfera de confiança e respeito leva tempo. As seguintes idéias podem ajudar-lhe a começar:

ENTENDENDO OS JUVENIS

            Você pode entender melhor seus juvenis se você tomar tempo para:
·         Ouvi-los quando eles falam.
·         Lembrar de suas próprias experiências de adolescente.
·         Manter o senso de humor.
·         Não reagir.
·         Ser paciente.
·         Verdadeiramente se preocupar com eles.

SENDO ENTENDIDO PELOS JUVENIS

Seus juvenis poderão lhe entender melhor, e gostar de você, se você:
·         Simplificar sua linguagem.
·         Falar pouco.
·         Usar uma tradução atualizada da Bíblia.
·         Viver o que prega.
·         Ser criativo.
·         Contar histórias.


2ª Pista – Comunique-se com os juvenis
            Você quer se conectar aos juvenis, mas se pergunta como. Lembrar-se de como os juvenis são e o que eles estão vivendo já vai lhe ajudar muito.
  • Juvenis pensam em termos concretos.
Crianças com idade entre 8 e 12 anos pensam que tudo ou é certo ou é errado, ou é preto ou é branco. Eles tendem a organizar as coisas em caixas herméticas. O pensamento abstrato dificilmente surge antes da 8ª série. Então evite usar jargões cristãos que eles não entendam, como “evangelho” (as boas novas de que Jesus morreu por nossos pecados), “salvação” (o ato salvador de Deus), e “cânon” (os 66 livros da Bíblia).
  • Juvenis têm curtos lapsos de atenção.
Se você quer prender sua atenção, mantenha o programa ativo e variado. Atividades valendo pontos com jogos de ação, encenações e música. Quando for falar sobre Deus e a Bíblia, faça menção a coisas que ocupam as mentes dos juvenis – uma música das 10 Mais, marcas de roupas ou brinquedos que os interessem, e coisas populares da cultura deles que os arqueólogos vão encontrar em nossas pilhas de lixo!
  • Juvenis estão mudando fisicamente.
Eles podem se tornar retraídos devido às mudanças físicas e emocionais pelas quais estão passando. Eles devaneiam sobre sua aparência e o que o sexo oposto pensa sobre eles. Então eles mudam seu foco, e se concentram em atividades de diversão! Ann Cannon diz: “Acima de tudo, os juvenis esperam ter um aprendizado divertido. Deixe-os ser barulhentos. Aceite seus comentários sem julgamentos. Deleite-se com suas idéias únicas.”
  • Juvenis lutam para se comunicar.
Eles não têm habilidades de comunicação para expressar seus pensamentos e descrever seus sentimentos. Eles têm dificuldade em dizer o que sentem ou pensam. Então ajude-os; pergunte para que respondam com palavras-chave em vez de uma explanação.  Pergunte como eles se sentem sobre o tópico estudado; responda perguntando porque eles se sentem desta ou daquela maneira. Ou seja realmente não-ameaçador: pergunte como juvenis da mesma idade deles se sentiriam a respeito da questão em foco.

3ª Pista – use o estilo favorito de
aprendizado de seus juvenis
Os pesquisadores afirmam que nem todos aprendem do mesmo modo. Cada um prefere algum dos 4 estilos básicos de aprendizado. Mas a maioria das pessoas usa todos os 4 estilos em algum momento.
Aprendizes Inovadores são conscientes de sentimentos e relacionamentos. Eles são criativos, artísticos, sensitivos, bondosos. Eles são os profetas da igreja – a consciência da sociedade. Eles freqüentemente dizem: “eu sinto”.
Aprendizes Analíticos gostam de pensar, pesquisar e analisar as informações. Eles têm a tendência de pensar e ler sobre uma tarefa antes de realiza-la. Eles gostariam do livro de Romanos. Eles freqüentemente dizem: “eu penso”.
Aprendizes do Senso Comum gostam de reorganizar idéias e informações para resolver problemas e tomar decisões. Eles às vezes dizem: “vamos fazer”. Eles são os primeiros a imaginar o final da história.
Aprendizes Dinâmicos preferem aprender fazendo. Eles começarão a trabalhar em um projeto antes mesmo de ler as instruções ou analisar a tarefa. Aprendizes Dinâmicos se tornam grandes organizadores, vendedores e patrocinadores. Eles freqüentemente dizem: “eu fiz”.
Os juvenis aprendem melhor quando seus professores os envolvem em seu estilo favorito. Muitos líderes hoje oferecem pelo menos uma atividade que envolva cada estilo de aprendizado em um programa especial.
Para atender a cada estilo de aprendizado, os líderes precisam providenciar tarefas relacionadas ao estudo para os aprendizes analíticos, solução de problemas e encenações para os aprendizes do senso comum, experiências práticas para os aprendizes dinâmicos e atividades escritas criativas ou projetos de arte para os inovadores. E as crianças sempre gostam mais dessas atividades quando lhes dão o direito de escolha.

4ª Pista – envolva os sentidos
Além de determinados estilos de aprendizado, os juvenis também apreciam outros modos de aprender baseados no uso de sentidos específicos, tais como audição, visão, tato ou todos os três.
O Modo Auditivo favorece o aprendizado que envolve o ato de escutar. Os aprendizes auditivos dizem: “Advinha o que eu ouvi!” Algumas atividades típicas são: discussões, debates, canto, concursos orais, leituras em coro, etc. Eles aprendem e se lembram melhor quando ouvem as informações.
O Modo Visual envolve o aprendiz em ver o conteúdo do material estudado. O aprendiz visual relata: “Eu vi uma coisa muito boa!” Suas atividades típicas são: acrósticos, histórias ilustradas, diagramas, mapas, lições com objetos, cartazes. Eles precisam “ver” a informação que você está compartilhando.
O Modo Táctil envolve o aprendiz em coisas concretas: cartas, cartões, artesanato, colagens, esculturas. Quem aprende com o tato diz: “Olha o que eu fiz!” lembre-se de incluir muitas atividades manuais para este grupo.
O Modo Experiencial faz com que o juvenil se envolva com seu corpo todo no uso de todos os sentidos para experimentar novas situações. As atividades deste mudo incluem: solução de problemas, dramatização, visita a hospitais, caminhadas. Afirmação típica: “Adivinhe o que eu fiz (ou onde eu fui)!”
Um educador sábio fez a seguinte observação: “O que eu ouço, eu entendo; o que eu vejo e faço, eu me lembro”. O aprendizado de verdades espirituais merece o melhor método: o envolvimento de todos os sentidos.

5ª Pista – compreenda a batalha por auto-afirmação
“Cerca de 98% de todos os adolescentes se acham feios, desajeitados, sem amigos e totalmente inúteis pelo menos em alguma parte do tempo”, diz Nancy Van Pelt, especialista em relações familiares e autora de “O Adolescente Completo”.
Os juvenis freqüentemente lutam com sentimentos de inutilidade e insatisfação com suas características físicas. Como um líder de juvenis, você pode buscar por pistas que lhe alertem para a batalha que está acontecendo por trás das máscaras criadas pelos adolescentes.
Taís Tímida. Ela é tão tímida que ninguém lhe dá a menor atenção. E ela provavelmente não se sente bem em relação a si mesma.
Vinícius Valentão. Ele empurra os outros ao seu redor porque está tentando ser alguém e precisa ser notado.
Carla Convencida. Ela age assim para disfarçar uma auto-estima fraca.
Bruno Barulhento. Seu jeito agitado esconde a insegurança e sentimento de inutilidade que sente em seu interior.
“Para as crianças felizes esses tempos vêm e vão”, diz Van Pelt. “Mas outras crianças se ferem a cada dia de suas vidas. Alguns chegam a se suicidar”. Reconhecer como os juvenis se sentem a respeito de si mesmos é vital para alcançar uma liderança de sucesso entre eles.

6ª Pista – compreenda o que eles valorizam e
por que  valorizam
Os adultos algumas vezes se perguntam sobre o que atrai os juvenis à música, a pessoas e a produtos que aparentemente têm pouca importância para eles. A resposta é: energia! As crianças a partir dos 9 anos são atraídas pela alta energia. Elas gostam de música enérgica, entretenimentos enérgicos, shows que prometam uma alta dose de energia, sons que cortem energicamente de uma parte para a outra.
O aumento do nível de energia de seu ministério com os Juvenis (Escola Sabatina, Desbravadores, etc.) pode lhe ajudar a motivá-los. Esteja tão bem preparado quanto puder para aumentar a velocidade e intensidade do seu discurso, o passo da música, e o nível de seu entusiasmo com os juvenis. Orar freqüentemente pode aumentar grandemente sua energia espiritual também. De fato, todos os esforços para energizar seu ministério irão falhar sem o poder do Espírito Santo.
Quando as crianças chegam aos difíceis anos da pré-adolescência, eles parecem perder a memória. Eles se esquecem do que costumam fazer e do que gostam; agora eles se preocupam somente sobre o que os seus amigos – seus pares, a maioria, os “caras legais” – estão fazendo. Como Wayne Rice, um veterano líder de jovens, diz: “eles não são tão interessados sobre o que fazer, mas sobre quem está fazendo.”
Então quando você for falar sobre viver saudável ou sobre como ser um cristão, dê mais que apenas informação e passagens bíblicas. Fale aos juvenis sobre pessoas de sucesso que têm vivido os conceitos apresentados.
Quando for planejar um programa especial, escolha um grupo central de juvenis para ajudar-lhe a planejar. Eles não somente sabem o que os outros juvenis de sua idade gostam, mas irão irradiar entusiasmo a respeito do programa feito por eles próprios. Seu apoio trará um nível maior de energia e também o apoio dos demais juvenis.
Se energia e influência são tão importantes para os juvenis, que chance você tem em sua igreja pequena de competir por sua atenção? Muitas, de acordo com os especialistas. Porque os juvenis não esperam que você seja como os heróis deles. Eles não querem que você mude... muito. Eles valorizam adultos que os amam pelo que eles são. Eles só querem que você se lembre como você era quando também era um adolescente.
Rice sugere que você faça um quadro mental de você mesmo na 8ª série (ou algum outro ponto anterior em sua vida) e então você não se esquecerá daqueles mais dolorosos anos de sua vida. Quando os juvenis chegam e perguntam: “Quem é esse ‘nerd’?”, você pode responder: “É um cara legal”. Eles lhe verão sob uma luz diferente – como um amigo. E a amizade pode ser uma das mais poderosas motivações para todos.

 7ª Pista – descubra o que interessa aos seus juvenis
A prevenção é o melhor remédio para prevenir o tédio entre os juvenis. Descobrir o que os motiva é o ponto de partida. Faça uma pesquisa informal. Peça a eles para abrir seu mundo para você.
 Para realizar a pesquisa, copie a Lista de Favoritos abaixo. Dê aos juvenis um bom tempo para marcar suas respostas. Depois recolha suas folhas, tabule os resultados com as respostas mais freqüentes. Discuta os resultados da pesquisa com eles e lhes peça para dizer quais são as duas principais respostas para cada categoria. Deixe que eles lhe ajudem a entender o que eles gostam nessas pessoas ou coisas – você não pode ralhar, pregar ou mesmo aprovar, mas apenas entendê-los e motivá-los.
Os juvenis mudam de interesse freqüentemente, e você deve procurar atualizar sua lista de interesses. Isso pode ser muito útil para mudar periodicamente a maneira pela qual você extrai as informações. Por enquanto, faça uma ou duas das seguintes questões:
Quem você convidaria para sua festa se você pudesse chamar qualquer pessoa no mundo?
O que você compraria se você tivesse um cheque em branco para preencher?
O que você mudaria se pudesse mudar qualquer coisa no mundo?
O que você mais quer fazer quando se tornar um adulto?


Lista de favoritos

Escreva o seu favorito para cada categoria abaixo no espaço adequado:

1-    Música Secular

2-    Música Religiosa

3-    Desenho Animado

4-    Personagem de Desenho Animado

5-    Programa de TV

6-    Marca de Roupa

7-    Esporte

8-    Carro Esportivo

9-    Grupo Musical

10-                      Ator

11-                      Revista

12-                      Brinquedo ou Jogo

Watch Video > Pathfinders news 4

Watch Video > Pathfinders news 4

Assista ao vídeo> Himno Conquistadores Clube de Desbravadores

Assista ao vídeo> Himno Conquistadores Clube de Desbravadores

Liderança

Treinar (e bem) a sua equipe
o segredo do bom Diretor dbv

Parece não haver nenhuma dúvida de que o Diretor dbv é a pessoa chave num clube. As suas funções são tão múltiplas e importantes que todas as igrejas buscam, com todo empenho, encontrar a pessoa ideal, perfeito, para o preenchimento desse cargo
Encontrar, no Diretor dbv, um bom cristão, leal, consciente de sua importância e papel vêm sendo um desafio cada vez maior. Neste documento, procuraremos abordar, de maneira sucinta, alguns aspectos relevantes da função do Diretor dbv
Um Diretor dbv, geralmente tem sob a sua coordenação, uma direção, instrutores e conselheiros de unidade.
                Fazer com que esses grupos trabalhem bem, e com responsabilidade e qualidade e o principal objetivo do Diretor, isto parece obvio. Assim, recrutar bons dbv´s e bons associados, parece ser uma das primeiras e mais importante funções do diretor dbv
Como “recrutador de pessoal” o Diretor dbv tem que conhecer aspectos muito importantes do seu trabalho, de sua região, de sua metas, e conhecer também um pouco de psicologia, de técnicas de recrutamento, para poder proceder a uma seleção adequada de diretores conselheiros e capitães
Todos os Diretores dbv já tentaram recrutar pelo meio convencional de anúncios em igrejas. O resultado tem sido cada vez mais desastroso. Aparecem os mesmo “meios sola” que foram dispensados ou “saíram” de outros clubes e, portanto vem cheios de “vícios” difíceis de consertar.
A experiência tem demonstrado que a utilização de pessoas egressos de clubes nem sempre dão certo e a maioria absoluta das vezes, dão errado e muito errado
Assim o Diretor dbv parece estar num dilema. Ou aceita pessoas com vícios e que dificilmente farão um bom trabalho. Ou recruta sem experiência algum no ramo ou mesmo no geral. Qual será a melhor opção.
Não existem receitas prontas. Cada caso é um caso. Depende da pessoa de sua experiência anterior, dos clubes em que trabalhou, e assim por diante em se falando da primeira hipótese. Com relação à segunda, i.e., pessoas sem experiência, o esforço do Diretor dbv devem ser muito grande, envolvendo um grande trabalho de treinamento.
Particularmente, acredito em recrutar pessoas sem experiência. Digo isto porque não há na igreja diretores bons disponíveis. Os disponíveis são no geral ruins. Assim, creio, não restam muitas alternativas ao Diretor dbv a não ser recrutar pessoas inexperientes e empreender um grande e tenaz esforço de TREINÁ-LOS, ENSINÁ-LOS E aqui parece esta, sem duvida a grande base de trabalho do  Diretor dbv
Ele tem que se travestir de PROFESSOR e de PROFESSOR de clube dbv e tomar a peito a tarefa, às vezes não fácil, nem gostosa, nem muito rápido em termos de resultados e ação, de ENSINAR A SUA DIRETORIA, TREINÁ-LO. E muitos poderão perguntar “como treinar”
Treinar uma diretoria é principalmente sair e executar as atividades com ele. É explicar-lhe o cargo e pedir que ele repita para ver se compreendeu item por item do que for importante para a boa atividade. E verificar o seu estado de espírito e trabalhar para melhorá-lo. E ensiná-lo a entrar numa sala de aula, motivar os dbv´s, a sentar-se a vestir-se. É, muitas vezes, fazer ou refazer o homem!.
É ensiná-lo a usar uma agenda, marcar atividades de requisitos de cartão e chegar nos horários a aproveitar bem o tempo em geral. E fazer com que ele tenha completa segurança sobre seu cargo.
Ensinar é fazer junto. É pegar na mão e ensinar como se dizia antigamente. É não “supor” que ele já sabe... Lembre-se que ele não sabe nada ou pouco sabe. O que ele diz que sabe é de vergonha de dizer que sabe! Finja que acredita e “recorde” com ele o que ele dizia já saber...
A tarefa é, sem duvida, árdua. Mais creio com convicção que somente através desse esforço é que conseguimos “formar” lideres. E é o que estamos precisando e todos os clubes necessitam.
Todos sabem que o potencial do clube é bom, excelente mesmo. Todos sabem que o perfil do desbravador mudou.
A diretoria que temos, com raras e honrosas exceções não tem o necessário que gabarito para enfrentar o novo desbravador. A nossa diretoria é fraca, às vezes ignorante demais, embora possa ter muita boa vontade.
E essa mudança só será feita com muito treinamento, dedicação, acompanhamento, supervisão eficaz e muita boa vontade dos Diretores dbv´s, regionais, departamentais, e outros “avis rara” em nosso meio.
TREINAR, TREINAR e TREINAR é, pois a principal tarefa do Diretor dbv. Acompanhar, de perto, de fato, sua diretoria, conselheiros e capitães. Treiná-los em serviços, indo junto, fazendo atividades junto, avaliando as atividades após cada atividades, fazendo reuniões e tomando com seriedade essas funções.
Para isso é que são os Diretores dbv. Eles não foram feitos para ficar em salas com ar condicionado, lendo relatórios e esbravejando com sua diretoria.
Pelo menos por enquanto, não. Um dia, talvez. Hoje um Diretor dbv para ter sucesso, tem que “molhar a camisa” e criar a “sua” fiel e bem treinada equipe de diretores, conselheiros e capitães, se quiser experimentar o sucesso.
                                                                                              Texto de: Luiz Martins
                                                                                              Adaptação de: Jonny Dias
vem ai o enduro de de cartões na 14º região da aba não perca. os dois ultimos eventos que a 14º região fizeram foi inesquecíveis, agora e sua vez de participar as inscrições estão abertas, e só se informa com o coordenador do evento lider Mauricio  pelo fone: (91) 8414-4302

19 de jan de 2011

pregação a corrida da vitoria

Pregação
Corrida da Vitoria
Texto chave: Timoteo 4:6 a 8; Paulo compara a vida do cristão como uma corrida
O conseito do mundo de vitoria é:
Quem chega em primeiro e o vencedor; mais em 1984 uma coredora suiça, na maratona de 42km nas olimpiadas de los angeles mudou o conceito de vitória do mundo.
Mas como ser vencedor no mundo de hoje:

Neste mundo globalizado, competitivo...,
Atos 20:24 Paulo fala que sua vida não vale nada, e que não se importa com ela.

Satanás nos leva ate o fundo do poço nos arrasta na lama, nosso rosto e afundado na lama...
1º corintios 9:25 e 27 o mundo busca uma coroa corruptível, o cristão busca uma corroa incorruptível.

Mais como suporta estas coisas:

João 16:33 ai aparece a figura de Jesus nos dizendo olha eu venci você pode vencer.
1º João 5:4 vencemos so com a nossa fé

Somos mais que vencedores:

Romanos 8:38 e 39 nada nos separa do amor de Deus
Romanos 8:37 IPERNICONEM (mais que vencedor) do grego que quer dizer: master, mega, ultra, power, vencedor em cristo Jesus


                                                                                                     JONNY DIAS
EVANGELISTA AES

so pra quem e Desbravador

         este blog e pra quem e apaixonado por Desbravador e quer aprender mais sobre este departamento que é uma bença na igreja adventista do sétimo dia, e que nasceu no coração de Deus e hoje e disseminado em todo o mundo, aqui você poderá ficar bem informado de tudo o que rola no clube de Desbravadores, e de como fazer pra pregar o evangelho as outras pessoas, e você poderá compartinhar  muitas idéias, seja bem vindo ao Desbravador ao extremo